Geral

Serviços ao
Consumidor

Notícias Celesc

23.02.12

Horário de verão termina no domingo, dia 26

Florianópolis, 23 de fevereiro de 2012 – À zero hora do próximo domingo, dia 26, o Horário de Verão (HV) chega ao fim e os brasileiros que vivem nas regiões Centro-Oeste, Sul e Sudeste devem atrasar o relógio em uma hora. Essa edição do horário começou dia 16 de outubro e teve duração de 133 dias, o período mais longo desde a implantação do HV em 1985.

Os dados preliminares indicam uma redução de 4,9% na carga do sistema elétrico da Celesc Distribuição (160MW) e 0,5% na energia (38GWh ou 12,5MW médios) em sua área de concessão. Essa redução equivale a 75% da carga de Florianópolis ou 35% da carga do município de Joinville no horário de ponta durante o período do HV. Em relação à redução no consumo de energia, o valor representa aproximadamente o consumo, durante o período do HV, de um município como Campos Novos, com 12.663 unidades consumidoras, 9,8% do consumo do município de Blumenau ou 34,5% do consumo do município de Lages (veja quadro adiante).

Com os dias mais longos, o objetivo é reduzir o consumo de energia e aproveitar mais a luz do sol durante o verão. A conjugação de fatores como a mudança de comportamento dos consumidores residenciais e o término do expediente de trabalho ainda com luz natural, associados ao atraso no início da iluminação pública, reduz a coincidência com o consumo comercial e industrial de energia elétrica, acarretando uma diminuição na demanda máxima no horário de ponta de cada distribuidora de energia e, por conseqüência, do Sistema Interligado Nacional.

Os ganhos referentes ao custo evitado na segurança operacional resultarão em benefícios econômicos de R$103 milhões de reais, com a redução de geração térmica, no período de outubro de 2011 à fevereiro de 2012. Desse total, R$4,5 milhões referem-se ao despacho de térmica evitado nas usinas no subsistema Sul, R$95,5 milhões no subsistema Sudeste/Centro-Oeste e aproximadamente R$3 milhões no estado da Bahia. Os ganhos referentes ao custo evitado de geração térmica devido à redução prevista no horário de pico no SIN poderão ser da ordem de R$77 milhões. Os ganhos referentes à racionalização de investimentos em geração e/ou transmissão para o atendimento ao aumento de carga do período de verão poderão ser traduzidos pelo custo evitado de investimento na construção de térmicas a gás natural (US$750/kW), para atender à ponta, da ordem de US$2,1 bilhões ou R$3,8 bilhões no SIN.

Na última edição, que teve 126 dias em vigor, os dados do ONS indicaram redução de 5% na carga do sistema elétrico da Celesc Distribuição (150MW) e 0,5% na energia (12MWmédios) em sua área de concessão. A redução foi equivalente a 70% da carga de Florianópolis ou 65% da carga de Blumenau no horário de ponta durante o período do HV. Em relação à redução no consumo de energia, o valor representou aproximadamente o consumo, durante o período do HV, de um município como Campos Novos, com 12.296 unidades consumidoras, 23,3% do consumo de Criciúma, 9,3% do consumo de Blumenau, 4,3% do consumo de Joinville, 19,5% do consumo de Chapecó e 34,4% do consumo de Lages.

Benefícios - O principal efeito esperado nas áreas do Sistema Interligado Nacional – SIN, onde há a implantação do Horário de Verão, é a redução da carga máxima durante o horário de ponta, entre 18h e 22h. A aplicação dessa medida vem sendo praticada nas regiões geográficas onde sua eficácia tem sido comprovada, garantindo atendimento às áreas críticas, proporcionando folgas à operação para efetivação de manutenções em instalações de geração e transmissão do SIN e economia relacionada à redução de geração térmica para manter níveis adequados de suprimento aos centros de consumo.

As reduções na demanda máxima instantânea, induzidas pela implantação do horário de verão, trazem os seguintes benefícios:

a) aumento da qualidade e segurança do fornecimento de energia elétrica ao consumidor final através do aumento da confiabilidade do SIN, permitindo que determinadas áreas passem a suportar a indisponibilidade de equipamentos do sistema de transmissão sem que haja a necessidade de corte de carga. Esses benefícios são acentuados nas regiões típicamente litorâneas, serranas e de veraneio, em função do aumento de consumo decorrente da maior atividade turística;

b) redução dos valores de despacho de geração térmica necessária para garantir a confiabilidade do sistema elétrico durante esse período do ano, especialmente nas áreas em que o comportamento da carga, nos períodos de máximo consumo, é fortemente influenciado pela temperatura;

c) redução dos investimentos que seriam necessários para atender demandas sazonais, como troca de equipamentos por outros de maior capacidade e construção de novas linhas de transmissão;

d) aumento da flexibilidade operativa em função dos menores carregamentos proporcionados nos equipamentos do sistema de transmissão;

e) redução no consumo de potência reativa durante a transição dos períodos de carga média para pesada, o que evita o esgotamento dos recursos de controle de tensão em algumas áreas em função da defasagem entre o horário da entrada das cargas de iluminação (que se caracterizam pelo baixo fator de potência) e o período de transição da carga média para a pesada;

f) flexibilidade para a execução de serviços de manutenção que passam a ser realizados com o dia ainda claro nas instalações de geração e transmissão, devido a maior duração do período de luminosidade natural e o deslocamento do horário de ocorrência de demanda máxima.

História – O procedimento é adotado durante o verão porque os dias são mais longos, em função da posição da Terra em relação ao Sol, daí o nome em português, espanhol, alemão e outras línguas. Em inglês, o termo "Daylight saving time" (Horário de economia com luz do dia, em tradução livre) enfatiza a função prática, enquanto no idioma italiano "Ora legale" (Hora legal) destaca o caráter institucional da medida.

No Brasil, o horário de verão é adotado todos os anos desde 1985. Até 2007 a duração e a abrangência geográfica do horário de verão eram definidas anualmente por decreto da Presidência da República. É designado pela sigla BRST (Brazilian Summer Time). A decisão de usar ao horário é de cada estado e, no último ano, a Bahia resolveu aderir. A inclusão foi reivindicada pelos empresários daquele estado, que queriam sincronia com os expedientes bancário e comercial do Sul e Sudeste.

texto: Vânia Mattozo - Assessoria de Comunicação